Cultura

Fluviário de Mora cumpre 10 anos e é "aposta ganha"

O Fluviário, que cumpre 10 anos, na terça-feira, é "uma aposta ganha" e provocou "uma nova dinâmica" no concelho, ao nível turístico, económico e de notoriedade, diz o autarca local.

"Foi uma aposta ganha. Mais do que ganha, aliás, e continua a ser a grande âncora do desenvolvimento do concelho", argumentou o autarca, em declarações à agência Lusa, a propósito do 10.º aniversário do equipamento.

Inaugurado a 21 de março de 2007, o Fluviário de Mora, no distrito de Évora, foi pioneiro e é considerado o maior aquário de água doce da Europa, segundo a autarquia.

O espaço mostra a fauna e a flora dos rios ibéricos, num percurso desde a nascente até à foz, e também da bacia hidrográfica do rio Amazonas e dos grandes lagos africanos.

Habitado" por 500 exemplares de 55 espécies, além de diversas lontras, o Fluviário está situado no Parque Ecológico do Gameiro, na freguesia de Cabeção, e custou cerca de sete milhões de euros, com verbas comunitárias e do município.

Nestes 10 anos de atividade, de acordo com dados da câmara, o equipamento recebeu "cerca de 800 mil visitantes".

"Para um concelho com 4.500 habitantes é, de facto, relevante passar a receber uma média de 80 mil pessoas por ano", destacou o autarca, para exemplificar que, com o Fluviário, Mora "passou a viver também muito do turismo".

O projeto, continuou, foi responsável por "uma nova dinâmica", a qual "teve e tem reflexos na economia" local, pois, "são muitas as pessoas que vão aos restaurantes do concelho e que já ficam cá mais do que um dia, alojadas nas unidades turísticas".

E contribuiu ainda, acrescentou Luís Simão, para "dar notoriedade do concelho a nível nacional". Antes, Mora "não seria um concelho muito conhecido", mas, hoje, com o Fluviário, "já toda a gente o conhece".

Ao longo desta primeira década de existência, a câmara promoveu várias obras e melhorias no equipamento, nomeadamente criando "um novo habitat para as lontras" e "um novo tanque para receber peixes de maiores dimensões", lembrou o presidente da autarquia.

Para o futuro, existem "projetos para melhorar mais algumas coisas" no espaço, mas, para já, o autarca não quis revelar quais as obras que estão "na calha".

Luís Simão limitou-se a referiu que, este ano, o município pretende "lavar a cara" ao Fluviário, investindo "200 mil euros numa nova pintura", e proceder à substituição de "equipamentos sujeitos ao normal desgaste", como bombas dos tanques.

O 10.º aniversário do Fluviário vai ser comemorado na sexta-feira, numa sessão para convidados, com a entrega do Prémio Jovem Cientista 2016, cujo vencedor ainda não foi anunciado, e no sábado, com a oferta de bolo e de champanhe a todos os visitantes.

  COMENTÁRIOS