Cultura

Mick Jagger não se lembra de ter escrito uma autobiografia

Um editor assegura que tem um livro de memórias escrito pelo músico no início da década de 80 e falou com Mick Jagger... que não se recorda de ter escrito a autobiografia.

De acordo com a revista "The Spectator", o editor John Blake conta que Mick Jagger lhe entregou há três anos, através de um amigo comum, um livro autobiográfico, com 75 mil palavras, escrito pelo músico no início da década de 1980, quando já contava 20 anos de carreira com a lendária banda britânica.

John Blake entrou em contacto com o vocalista dos Rolling Stones, que afirmou não se recordar de ter escrito uma autobiografia.

O editor afirma que Jagger, com 73 anos, pareceu a princípio inclinado a que o livro fosse publicado e tinha inclusivamente acordado fazer um prefácio, no qual explicaria que o livro tinha sido escrito "há muito tempo".

No entanto, de acordo com sua versão, vários acontecimentos se interpuseram entretanto na vida do artista, como o suicídio da estilista L'Wren Scott, em março de 2014, na altura companheira de Mick Jagger, uma digressão mundial da banda, um filme sobre a origem do álbum "Exile on Main Street" e uma grande exposição na Galeria Saatchi.

Em declarações à revista, John Blake disse que, após esses acontecimentos, "as portas de aço fecharam-se" e Mick Jagger já não quis publicá-lo.

No entanto, o editor revela alguns detalhes, alegadamente incluídos nas memórias, sobre os altos e baixos dos Rolling Stones, como quando o cantor voltou para a casa de seus pais em Dartford, no condado de Kent (sul de Londres), após dois anos de "caóticas tournées mundiais, de selvajaria, desordem e sabe Deus que mais". Aparentemente, a mãe de Mick Jagger terá recebido o filho "horrorizada", mencionando o seu novo penteado.

O manuscrito mostra, de acordo com John Blake, "um Mick mais tranquilo e mais atento do que a caricatura que dele se faz por levar uma vida agitada". O livro revela uma estrela do rock que se "esconde" numa pequena sala, nos bastidores, antes dos concertos, avaliando o público, almoça uma refeição de carboidratos e bebe oito litros de água antes de entrar no palco.

De acordo com esses relatos, as "extravagantes" festas nos bastidores são um "mito", afirma o editor, acrescentando que nas suas memórias, Mick Jagger aborda a sua relação tempestuosa com o guitarrista Keith Richards, que publicou a sua autobiografia em 2010, sob o nome de "Life", ganhando enorme sucesso, quer em termos de crítica, quer em termos financeiros.

  COMENTÁRIOS