Cultura

Morreu o escritor e filósofo Umberto Eco

Autor de livros como "O Nome da Rosa", ou "Pêndulo de Foucault", Umberto Eco foi escritor, filósofo, semiólogo, linguista. Entre as várias distinções que recebeu está o Prémio Príncipe das Astúrias, em 2000.

Umberto Eco era escritor, ensaísta, filósofo, semiólogo, crítico literário e também um bibliófilo, que prestou um forte contributo para a organização bibliográfica mundial.

Nasceu em Alexandria, Itália, em 1932. Era professor na Universidade de Bolonha. Começa a carreira como filósofo e depois dedica-se à semiótica.

Foi também editor cultural na RAI, nos anos 50, e nessa altura deu aulas nas universidades de Turim, Milão e Florença. Publicou diversos estudos académicos na área da filosofia e da semiótica e o primeiro romance só surgiu em 1980.

"O Nome da Rosa" tornou-se um clássico da literatura e o livro foi adaptado ao cinema por Jean-Jacques Annaud. Sean Connery foi o ator principal.

Eco escreveu também "O Pêndulo de Foucault" e, mais recentemente, os romances "O Cemitério de Praga" e "O Número Zero", uma reflexão sobre o jornalismo, lançado em 2015.

Umberto Eco venceu o Prémio Príncipe das Astúrias, em 2000.

Em 2001, no lançamento de mais uma obra, dizia estar convencido de que a Humanidade "nunca" vai renunciar ao livro, apesar do avanço de outros meios, como a Internet, que permitem aceder à leitura.

Para o escritor italiano, o livro é "um milagre da tecnologia eterna, como a roda, o martelo, a frigideira ou a bicicleta". Dizia Eco que "a sua essência permanecerá sempre e a Humanidade nunca o poderá evitar".

Morreu esta sexta-feira à noite em casa. A notícia que foi avançada pelo Corriere Della Sera.

  COMENTÁRIOS