Festival Eurovisão

O Concerto de Bolso de Salvador Sobral na TSF

Há um ano, Salvador Sobral esteve no Concerto de Bolso da TSF, para falar sobre o álbum de estreia: "Excuse me".

"Excuse me" o álbum de estreia que chegou às lojas em março de 2016, com uma sonoridade marcada pelo jazz e pela pop e que provam o seu modo inquieto de viver a música, do jazz de Chet Baker aos clássicos brasileiros de Dorival Caymmi.

Tinha 26 anos, era um desconhecido, não mais do que o irmão de Luísa Sobral, e um rosto perdido na memória de edições de concursos de talentos vocais, há muito desaparecidas.

Um ano depois da publicação de "Excuse me", Salvador Sobral vence o festival Eurovisão, em Kiev, com "Amar pelos dois", uma canção escrita pela irmã, e faz questão de deixar a sua marca: um alerta em defesa dos refugiados no termo da eliminatória, na passada terça-feira, que o levou à final; a crítica ao "mundo de música descartável" em que vivemos, na noite da vitória.

O disco resume os gostos do cantor, as suas referências, entre as composições escritas por si mesmo, com Leo Aldrey, às quais juntou versões de "Autumn in New York", de Vernon Duke, um 'standard' do jazz, ou "Nem eu", de Dorival Caymmi.

Em "Excuse me", Salvador Sobral surge em quarteto, acompanhado por Júlio Resende (piano), que coproduziu o disco, André Rosinha (contrabaixo) e Bruno Pedroso (bateria).

  COMENTÁRIOS