Cultura

"Os livros criam inteligência"

José Fanha, o comissário do 3º Encontro de Literatura Infanto-Juvenil da Lusofonia, contou na Manhã TSF que os autores continuam a ser bem recebidos nas escolas. O encontro vai até sábado, no Estoril.

A literatura para os mais jovens está a fazer um caminho de transformar histórias que passavam de boca em boca, em histórias escritas e lidas.

O comissário do 3º Encontro de Literatura Infanto-Juvenil da Lusofonia, que começa esta quinta-feira, no Estoril, contou, na Manhã TSF, que esse é um dos temas que atravessa o encontro deste ano.

Estão presentes autores portugueses, cabo-verdianos, moçambicanos, e de outras paragens do mundo lusófono.

E alguns deles iniciaram a semana, com visitas a escolas.

Com as escolas, à volta de Lisboa, cada vez mais multiculturais, José Fanha contou que sente que os alunos de outras paragens ficam particularmente identificados com histórias e autores, das terras onde têm raízes familiares.

Os narradores, ou contadores de histórias, também vão ter um espaço nestes três dias, sempre à noite.

José Fanha elogiou o papel do Plano Nacional de Leitura e da rede de bibliotecas escolares, no aumento das taxas de leitura dos alunos portugueses.

Conta o escritor, que o acesso dos mais jovens aos livros aumenta a capacidade de mudar a sociedade, porque "os livros tornam as pessoas mais inteligentes".

O 3º Encontro de Literatura Infanto-Juvenil da Lusofonia, é uma iniciativa da Fundação "O Século", em S. Pedro do Estoril.

  COMENTÁRIOS