Futebol

Alan acusa Javi Garcia de insultos racistas, espanhol nega

O jogador brasileiro Alan acusou Javi Garcia de ter proferido insultos racistas no encontro de domingo entre o Sporting de Braga e o Benfica, mas o espanhol já negou as acusações.

«Um menino chamado Javi García insultou-me. Chamou-me preto, só que colocou a mão à frente, porque não é homem para dizer isso. Chamou-me preto de merda. Eu sou negro com muito orgulho. E desejou que os meus filhos morressem», disse Alan, em declarações à Antena 1 e à Renascença.

Num comunicado publicado no sítio do Benfica, Javi Garcia, a quem Alan acusa de também ter insultado o líbio Djamal, garante ser «um jogador leal, incapaz de fazer aquilo».

«Tenho respeito por todos os jogadores, como profissionais e colegas, infelizmente, pelo que acabo de ser informado, respeito alguns em demasia», referiu.

O espanhol diz estranhar que, «com acusações tão graves, o jogador em causa só se tenha lembrado delas hoje», depois de Alan não ter mencionado este facto na zona mista no final do encontro de domingo.

«As declarações que foram produzidas são totalmente falsas e reveladoras do carácter do jogador que as produziu, o mesmo que no ano passado simulou uma agressão dentro de campo. Quem simula dentro de campo é bem capaz de fazer o que ele fez hoje fora dele», acusou.

Alan disse ainda que Javi Garcia «tem de ter cuidado com o que diz, porque o capitão dele é negro, o lateral-esquerdo dele é negro e 70 por cento da claque dele é negra».

O guarda-redes Artur Moraes, antigo jogador do Braga, disse que «há truques fora do campo» e que sempre que o Benfica joga na «Pedreira» acontecem «coisas de outro mundo», aludindo aos três cortes de electricidade no estádio durante a primeira parte e à falta de água quente no final.

«O Artur foi ao nosso balneário. Viu que não havia água para nós», disse o brasileiro, referindo que o guarda-redes «foi mandado pelos superiores» fazer esta declaração.

  COMENTÁRIOS