TSF

  • Menu
  • Em Directo
futebol

Pedro Proença lamenta geração «massacrada pelo Apito Dourado»

O árbitro de futebol Pedro Proença, que liderou uma equipa portuguesa nas recentes finais da Liga dos Campeões e do Euro2012, reconheceu hoje pertencer a uma geração «massacrada pelo Apito Dourado», mas já ambiciona a final do Mundial Brasil2014.

PUB

Em entrevista à SIC, o "juiz" lisboeta reiterou a necessidade de aumentar o nível de profissionalismo do setor em Portugal e voltou a criticar a ausência de elementos do Governo aquando da chegada, segunda-feira, a Portugal.

«Pertenço a uma geração de árbitros que, num curto espaço de tempo, foi muito massacrada pelo processo 'Apito Dourado'. Foi em 2004, o tempo passa, mas as marcas ficam», afirmou.

Proença congratulou-se com o facto de os árbitros lusos terem entretanto conseguido «limpar a imagem» e «singrar o seu nome» junto das «instâncias internacionais», como «duas finais únicas, num espaço de dois meses».

«Se calhar, somos dos poucos culpados e, se calhar, as pessoas que eventualmente teriam de pagar pelos seus erros nunca pagaram», disse.

O árbitro, internacional desde 2003, relativizou a animosidade contra si por parte dos adeptos do Benfica, admitindo que «quanto mais tempo for árbitro, menos as pessoas vão gostar» de si, uma vez que considera que os "juízes" são «o elo mais fraco» numa indústria do futebol que movimenta milhões de euros.

«Os erros que cometemos lá fora, talvez por nacionalismo bacoco, muitas vezes não são tão ampliados. Em termos nacionais, procuram-se respostas para os insucessos e incompetências na gestão dos próprios clubes através dos erros da arbitragem», continuou.

Proença sublinhou ser «a pessoa que mais sofre com os erros» e adiantou que, caso esteja presente no próximo Mundial, a ser organizado pelo Brasil, em 2014, «tem a ambição» de chegar a final, a não ser que a seleção portuguesa o consiga.

  COMENTÁRIOS

Em Directo

Registe-se e receba diariamente a nossa Newsletter