Liga dos Campeões

Doumbia foi o Axl Rose dos AC/DC no show em Atenas

Sporting vencia por 2-0 aos 13', com golos de Doumbia e Gelson. Antes do intervalo Bruno Fernandes fechava a contagem do marcador... do lado verde. É que o Olympiacos marcaria dois perto do fim.

Foi há pouco mais de um ano. Os AC/DC vieram a Lisboa, mas sem o vocalista Brian Johnson, por risco de surdez. A solução da banda foi telefonar a Axl Rose, dos Guns N' Roses, para ele assumir o palco. Foi mais ou menos como Jorge Jesus esta noite, que no plano para o ataque ao estádio do Olympiacos preferiu dar o microfone a Doumbia. O costa-marfinense marcou logo aos dois minutos e pouco depois isolou Gelson, para o 2-0. Assim, sem mais nem menos. O Sporting fechou o festival ao intervalo, com um 3-0 redondo. Jesus saltou e berrou o jogo todo, talvez como quem abana o capacete com o enérgico rock da sua equipa (ou adivinhava o aperto de que falara na véspera?). Os solos de William também tiveram categoria, mas quando a sinfonia estava afinada o Sporting encolheu-se e, como diria Jesus, "meteu-se a jeito" perto do fim: Pardo bisou e assustou os visitantes.

Jesus voltava onde não havia sido feliz há quatro anos. No banco do Benfica, o homem até deu o braço a torcer e meteu um terceiro elemento no meio campo, juntando Amorim a Matic e Enzo. Foi das melhores exibições daquele Benfica na Europa, mas Manolas marcaria o único golo da partida. Naquela equipa grega andavam jogadores como Mitroglou, Saviola, Roberto e Samaris. A desforra chegou esta noite, com Bruno Fernandes a piscar o olho a William Carvalho e Battaglia na guerra pelo controlo da bola. E, já agora, com a mobilidade e pedalada de Doumbia, em vez da referência Bas Dost, o líder habitual da banda.

Esta cantiga começou aos dois minutos, com uma bola parada: Acuña cruzou, Doumbia cabeceou para as redes que ainda não imaginavam uma tragédia grega. Aos 13', Rui Patrício aliviou a soco, Bruno Fernandes desviou de cabeça, Doumbia disse "toma, miúdo, diverte-te" e Gelson lá foi. Metros e metros galgados depois, bolinha no fundo da baliza de Kapino, 2-0. O chocolate continuou e, depois de mais um contra-ataque venenoso, Bruno Fernandes rematou ao poste. A seguir foi Doumbia a falhar na cara do guarda-redes da casa. Que entrada desta gente que veste um leão ao peito. A música no arranque deste texto é apropriada para esta primeira parte. Depois foi Coates, que correu um meio campo inteiro, isolado, para tentar o 3-0. Quem não viu este jogo, pergunta: "Como é isso possível?" É difícil explicar, os gregos estavam mais moles do que um pacote de manteiga numa praia vietnamita.

Pouco antes do intervalo, Bruno Fernandes, que anda pouco virado para passar despercebido, meteu mais uma bola na baliza do Olympiacos, depois de se movimentar bem e desviar de Kapino. Três-zero. Intervalo. A dormência dos gregos convidou o Sporting a disparar na frente. A calma e "pausa" chegavam quando a bola aterrava nos pés de William, que tentava oferecer oxigênio e sossego aos colegas.

Esta equipa da casa parecia de facto ter pouca competitividade. Não estava preparada para esta noite. Pressionava mal e os jogadores mais criativos decidiam mal com a bola. Marin esteve sossegado, enquanto Carcela, ex-Benfica, ia abanando aqui e ali naquele jeito malandro.

O jogo chegou a dar ares de estar partido, pois o Sporting nem conseguia congelar a bola, nem estacionava atrás, convidado constantemente a investir na goleada. Nunca chegaria. Quem chegou foi Pardo, o jogador que passou pelo Sp. Braga, que bisaria e daria razão a Jorge Jesus, que alertara para os apertos.

Ou seja, o Sporting adormeceu, intoxicado pela moleza alheia, numa altura em que muitos adeptos já abandonavam o estádio. "Ataque posicional sem dinâmica", explicaria Jesus no final. Era necessário controlar melhor, com bola. Antes dos dois golos dos gregos, Bas Dost até rematou à trave, mas a concentração e intensidade dos leões já haviam baixado perigosamente. Foram dois golos de rajada de Pardo, aos 89' e 92'. Ponto final em Atenas. Apesar da reta final cheia de "apertos", o Sporting sai vitorioso desta primeira jornada da Liga dos Campeões, imitando assim o Barcelona, que despachou a Juventus em Camp Nou por 3-0, com um bis de Lionel Messi. Portugueses e catalães lideram o Grupo D.

  COMENTÁRIOS