Futebol

Vídeo-árbitro avança já na próxima época

São 306 jogos, todos os que se vão disputar na primeira liga de futebol, que vão ser monitorizados a partir de um centro de controlo, na Cidade do Futebol, em Oeiras.

A medida já estava prevista para a época 2018/2019, é agora antecipada em um ano, segundo avançou à TSF fonte da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), para dar resposta imediata às críticas que têm sido feitas, com mais insistência nas últimas semanas, ao setor da arbitragem. Portugal segue assim o exemplo da Holanda, as duas primeiras ligas europeias a adotar a solução e já na próxima temporada.

O vídeo-árbitro estará presente em todos os 306 jogos do campeonato do principal escalão do futebol português, com recurso às imagens transmitidas pelo operador de TV responsável pela emissão emissão de uma determinada partida. Em alguns casos pode ser decidida a instalação de câmaras adicionais.

A FPF vai investir perto de 2 mil euros por jogo, pouco mais de 600 mil por época no vídeo-árbitro. A este valor há ainda acrescentar os custos de instalação, na Cidade do Futebol, de um centro de monitorização onde irá funcionar o vídeo-árbitro. Contas feitas, os custos, a suportar na íntegra pela Federação, deverão rondar 1 milhão de euros.

A formação dos vídeo-árbitros, os árbitros que vão acompanhar os encontros através do visionamento das imagens televisivas, já está em marcha desde agosto do ano passado. Artur Soares Dias e Jorge Sousa são dois dos homens do apito que já experimentaram a tecnologia, por exemplo, em jogos da Taça de Portugal.

Segundo as regras definidas pela International Football Association Board, o recurso às imagens de televisão pode ocorrer em quatro situações: nos casos de golo (se o vídeo-árbitro detetar alguma irregularidade deve comunicar ao árbitro principal que, ou acata de imediato a sugestão ou decide visionar as imagens junto à linha lateral para retificar ou manter a decisão inicial), em casos de penálti, expulsões e, por fim, nos erros de identificação de jogadores, por exemplo, para efeitos de sanções com cartões amarelos ou vermelhos.

A final da Taça de Portugal, já no próximo dia 28, entre o Benfica e o Vitória de Guimarães, vai usar também a nova tecnologia.

Luciano Gonçalves, presidente da Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol (APAF), considera que o sistema é uma grande ajuda para os árbitros, mas não resolve todos os problemas. Para o presidente da APAF, o conselho de arbitragem vai ter muito trabalho pela frente, considerando que o novo sistema não chega, que é preciso uma mudança de mentalidades.

  COMENTÁRIOS