medidas de austeridade

Chumbo do PEC4 equivale a entrada do FMI, diz Teixeira dos Santos

O ministro das Finanças assegura que a aprovação do PEC4 é decisiva para o país, sublinhando que este factor é mais importante que a desclassificação da dívida feita pela Moody's.

À entrada da Comissão de Orçamento e Finanças (COF) a decorrer na Assembleia da República, o ministro Teixeira dos Santos assegurou que «o que é decisivo para determinar a nossa capacidade ir ou não ao mercado é a clarificação política em torno da actualização do PEC».

«O não actualizar o PEC é empurrar o país para a ajuda externa e nesse caso devemos responsabilizar os que o invibilizem», acrescentou, revelando que o documento vai ser apresentado aos deputados no início da próxima semana.

Teixeira dos Santos considerou que esse factor é mais importante do que a desclassificação da dívida portuguesa feita pela Moody's.

Apesar de sublinhar o elogio da agência de notação financeira às novas medidas de austeridade, o ministro das Finanças entende que a Moody's deveria ter esperado mais um pouco antes de desclassificar a dívida soberana portuguesa.

Já na audição da Comissão de Orçamento e Finanças, o ministro sublinhou que este momento é decisivo e exigiu diálogo porque há quem duvide lá fora do empenhamento de Portugal em baixar o défice.

«Temos que dar uma resposta clara que não deixe dúvidas quanto ao nosso empenhamento e capacidade em alcançar os objectivos a que nos propusemos porque ainda subsistem dúvidas nos mercados. Para esse efeito é fundamental que sejamos capazes de conversar, discutir, discordar, não faz é sentido de nos fecharmos ao diálogo», explicou Teixeira dos Santos.

Notícias Relacionadas

  COMENTÁRIOS