Economia

Eduardo Catroga: Governo fez erros que «ficam para a história»

Catroga considera que Passos tem de ser humilde na aceitação da indignação e que uma eventual remodelação deve ser encarada sem dramas. O economista é contra a privatização da CGD.

Eduardo Catroga igual a si próprio. Sem fugir aos temas mais quentes, o economista que ajudou a elaborar o programa eleitoral do PSD no caminho para a vitória a Passos Coelho e que liderou a equipa social-democrata que acompanhou as negociações com a troika diz em entrevista à TSF e ao Dinheiro Vivo que esta pode ser uma boa altura para remodelar não apenas pessoas, mas a própria estrutura do executivo. Não aponta nomes mas avisa que há ministros de quem não se fala que são mais remodeláveis do que os que têm sido mencionados pela Comunicação Social.

Catroga, que é contra privatização da Caixa Geral de Depósitos, considera que nas últimas semanas este Governo fez erros que vão ficar para a história política do pais.

Remodelação deve ser encarada «sem dramas» e deve incluir nomes que não têm sido os mais falados

Eduardo Catroga desdramatiza uma possível remodelação. Diz que essa é uma opção que deve ser encarada «sem dramas» e que «seria perfeitamente natural a meio do mandato, sobretudo num conjuntura extraordinariamente difícil. Sem quaisquer dramas». O primeiro-ministro, afirma o economista que redigiu a proposta para o programa eleitoral do PSD, «tem que ser humilde na aceitação da indignação». Catroga diz que «se fosse primeiro-ministro estaria na posse da totalidade da informação para fazer um reajustamento da estrutura orgânica do Governo e de pessoas».

O economista aconselha o primeiro-ministro a «fazer uma reflexão que só ele pode fazer. Eu, se fosse primeiro-ministro, procuraria estar na posse de informação que hoje não tenho». Catroga não quer falar em nomes mas adianta que «às vezes, há determinados ministros que começam a ser prematuramente "remodelados" na comunicação social e há outros ministros de quem não se fala e que merecem mais ser remodelados do que aqueles que estão a tentar fazer coisas»

CGD deve continuar na esfera pública e ser reorientada para o financiamento às empresas

O antigo ministro das finanças mostra-se ainda contra a privatização da Caixa Geral de Depósitos. Na opinião de Eduardo Catroga, a CGD «estar sujeita a uma orientação estratégica do Governo, em representação do acionista Estado, no sentido de orientar os recursos para o tecido produtivo, para as empresas, para as pequenas e médias empresas e para os investimentos produtivos». A Caixa BI, banco de investimento, «devia ser transformado num banco de fomento nacional com capitais públicos e privados no sentido de voltar a olhar para o financiamento a médio e longo prazo que os banco não vão ter mais condições de fazer nos próximos anos»

Governo fez erros que «ficam para a história»

Eduardo Catroga considera que o Governo errou ao não aproveitar a 5ª avaliação da troika para fazer um «reajustamento global do programa». Esse reajustamento teria de começar pela revisão do «ponto de partida» do documento, que, defende o antigo ministro das finanças, está mal calculado. Ainda assim Catroga recusa defender uma extensão do pacote financeiro da troika.

O Governo errou novamente na «política de comunicação» da revisão do programa. Catroga não quis dizer se falava do caso TSU, mas acrescenta que são erros que vão ficar para a história política do país.

Nesta entrevista o economista que liderou a equipa do PSD que acompanhou as negociações com a troika em 2011 diz ainda que a troika «e o Governo, por influência da troika, esqueceu-se de todo o pilar do aumento do crescimento potencial. Isto é, o pilar da revitalização do tecido produtivo, que passava por incentivos fiscais e financeiros para a agricultura, para a indústria transformadora, e sobretudo para todos os sectores que exportam».

A entrevista a Eduardo Catroga pode ser escutada na íntegra na TSF neste sábado, 6 de Outubro, depois das notícias das 13 horas e depois, em permanência e com vídeo, na página do programa Tudo é Economia.

  COMENTÁRIOS