programa de estabilidade

"Muralha de aço": PS e Esquerda chumbam rejeição do Programa de Estabilidade

O CDS pretendia que o Programa de Estabilidade fosse alterado e rejeitado mas PS, PCP, BE, PEV votaram contra. O PAN absteve-se. Apenas o PSD votou ao lado dos centristas.

"O "cristismo" é irrequieto mas é inconsequente. O CDS obrigou o programa a ir a votos e com as suas armas de Carnaval, embateram na muralha de aço em que esta maioria se transformou", sublinhou o socialista Ascenso Simões.

Na resposta, Mota Soares do CDS não deixou em branco a referência a Vasco Gonçalves:

"Muralha de aço, todos nós nos lembramos, era aquela expressão usada para apoiar o primeiro-ministro Vasco Gonçalves! Foi exatamente a expressão de que o Partido Socialista se lembrou para configurar esta nova maioria que nós temos na câmara".

E ironizou para o deputado socialista:

"Com amizade, eu só lhe queria lembrar uma coisa: o Sr. começa a citar a muralha de aço e ainda acaba a citar a cortina de ferro, só que vai ficar do lado de lá, pelos vistos não fica do lado da liberdade".

O Parlamento chumbou esta sexta-feira dois projetos de lei do CDS que visavam alterar e rejeitar o Programa de Estabilidade apresentado pelo Governo.

O CDS que, num primeiro momento, recomendava ao Governo que levasse a votos o Programa de Estabilidade, acabou por substituir a formulação inicial, passando a defender a rejeição do documento.

Na hora de votar, confirmou-se o chumbo antes anunciado pela atual maioria: PS, BE PCP e PEV votaram contra os dois diplomas. O PAN optou pela abstenção.

O PSD juntou o voto favorável ao do CDS.

  COMENTÁRIOS