Economia

Passos Coelho assinala «preconceito» de mercados face a Portugal

Em Alcanena, o primeiro-ministro disse não perceber porque os mercados não premeiam Portugal com taxas de juro mais baixos em vista dos sinais positivos da economia nacional.

O primeiro-ministro considerou, este sábado, que os mercados têm um «preconceito» em relação a Portugal, um preconceito que prejudica o país.

«Se temos esses sinais positivos na economia, se finalmente começamos a ver uma luz ao fundo do túnel, se começamos a perceber que a nossa economia se preparar para recuperar, porque os mercados não nos premeiam com taxas de juro mais baixas?», perguntou-se Pedro Passos Coelho.

Em Alcanena, o chefe do Governo recordou que «aqueles que chegam atrasados, por melhores que sejam as razões que tenha, geram sempre em quem está à espera o mesmo sentimento: se chegaste sempre atrasado, atrasado continuarás a chegar».

Passos Coelho aproveitou ainda para assinalar que Portugal tem resultados semelhantes aos da Irlanda e que por isso a diferença no tratamento dos mercados em relação aos dois países se deve «em parte ao preconceito».

«Aqueles que sempre se comportaram mal acabam por ser alvo da suspeita dos próprios mercados», acrescentou o primeiro-ministro, que disse até entender em parte as razões para este preconceito.

Insistindo na ideia de que há uma discriminação negativa em relação à Irlanda, Passos Coelho notou que o objetivo do défice para os irlandeses em 2013 é de 7,5 por cento.

«Se tivéssemos 7,5 por cento também cumpríamos de certeza», concluiu Passos Coelho, que reiterou a ideia de que Portugal tem de «mostrar a todos que estamos absolutamente comprometidos com as metas que traçámos».

  COMENTÁRIOS