ajuda externa

PCP diz que acordo «viola» Constituição

O secretário-geral do PCP afirmou que o plano acordado entre o Governo e a 'troika' «viola» a Constituição e é um «golpe» no regime democrático, desafiando os portugueses a rejeitá-lo «pelo voto popular» nas eleições legislativas.

«Perante o anúncio destas medidas e deste entendimento ilegítimo e ruinoso, o povo português tem o dever de denunciar, não reconhecer e rejeitar aquilo que foi forjado e imposto pelo conluio entre o FMI, a União Europeia, o PS, o PSD e o CDS-PP», disse Jerónimo de Sousa.

As palavras do líder comunista foram proferidas numa conferência de imprensa sem direito a perguntas sobre o acordo firmado entre o Governo e a 'troika', na sede do partido, onde considerou o plano «ilegítimo tanto no seu conteúdo como no seu significado político e institucional».

Para Jerónimo de Sousa, a intervenção da missão tripartida é «ilegítima» porque foi «solicitada por um Governo limitado a meras funções de gestão e com a Assembleia da República dissolvida» e «no seu conteúdo afronta e viola a Constituição da República».

Notícias Relacionadas

  COMENTÁRIOS