Economia

Portugueses gastaram menos nos últimos anos face ao início da década

Quase 32% dos gastos destinaram-se a habitação, água, eletricidade, gás e outros combustíveis.

As famílias portuguesas gastaram em média menos em 2015 e 2016 do que cinco anos antes, tendo descido o peso das despesas com alimentação e aumentado os custos com a habitação, revela hoje o INE.

Segundo os dados do inquérito às Despesas das Famílias 2015/2016 elaborado pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), quase dois terços (60,3%) do total dos gastos destinavam-se a habitação, transporte e alimentação, e tinham um peso maior do que em 2010/2011 quando era de 57%, ou seja, menos 3,3 pontos percentuais.

A concentração das despesas naquelas áreas mantinha o perfil observado nas famílias portuguesas desde o início deste século, "embora com perda da importância relativa das despesas com produtos alimentares e bebidas não alcoólicas", explica.

A despesa total anual média dos agregados familiares foi de 20.363 euros, menos 28 euros do que o valor obtido no início da década, e entre aqueles que tinham crianças dependentes (25254 euros) era cerca de 44% superior na comparação com os agregados sem crianças dependentes (17494 euros).

Do total de despesas, 31,9% destinava-se a habitação, água, eletricidade, gás e outros combustíveis (6501 euros), 14,3% a produtos alimentares e bebidas não alcoólicas (2914 euros) e 14,1% a transportes (2863 euros), aponta o INE.

  COMENTÁRIOS