ajuda externa

PS considera «chocante» que o Governo fale em sucesso no cumprimento do programa

O PS considerou «chocante» que o Governo afirme que o Programa de Assistência Económica e Financeira (PAEF) a Portugal está a ser cumprido com sucesso, quando o desemprego é o mais elevado de sempre no país.

A posição foi transmitida por Eurico Brilhantes Dias, membro do Secretariado Nacional do PS, depois de o ministro de Estado e das Finanças, Vítor Gaspar, ter anunciado que a quarta revisão do programa de assistência a Portugal foi positiva e que 'troika' (Banco Central Europeu, Fundo Monetário Internacional e Comissão Europeia) aprovou a transferência de mais uma tranche de quatro mil milhões de euros.

«Cumprimos todos os critérios quantitativos e objetivos estruturais. A missão [da 'troika'] recomendou o desembolso da quarta tranche», disse Vítor Gaspar.

Eurico Brilhante Dias congratulou-se com a transferência de mais quatro mil milhões de euros para Portugal e referiu que o PS conserva o seu compromisso com o cumprimento dos objetivos inerentes ao programa de assistência financeira, mas demarcou-se da linha seguida pelo atual Governo.

«O país ouviu hoje o Governo referir-se à execução do PAEF como um sucesso. É chocante ouvir o Governo sublinhar 'o sucesso' quando o desemprego real é o maior de sempre», declarou o dirigente socialista.

Também de acordo com Eurico Dias, o Governo reivindica resultados positivos ao nível da evolução da economia portuguesa «quando as previsões económicas para 2013 voltam a ser revistas duas semanas após o Documento de Estratégia Orçamental (2013/2016) ter sido apresentado no Parlamento».

«Duas semanas depois a evolução do Produto Interno Bruto (PIB) volta a ser revista de forma negativa. Com particular preocupação, o PS salienta que é com grande dificuldade que vê o suposto êxito do programa de assistência financeira, quando o consumo privado decresce muito mais do que seria de esperar e quando o investimento (o que permitirá ao pai crescer e sair da crise) continua a decrescer de forma acentuada», contrapôs o membro do Secretariado Nacional do PS.

Eurico Dias disse que, para o PS, o atual caminho «é errado».

«Este caminho de sacrifícios exigidos aos portugueses não está a ter a recompensa devida. Este caminho de sacrifícios dos portugueses está apenas a levar o país para o empobrecimento», acrescentou Eurico Brilhante Dias.

  COMENTÁRIOS