Emprego

Taxa de desemprego atinge 12,4% no 1º trimestre, indica INE

A taxa de desemprego aumentou no primeiro trimestre e atingiu os 12,4 por cento com a nova metodologia, segundo a síntese económica de conjuntura do INE divulgada hoje.

O INE justifica o aumento do desemprego em parte com as alterações no modo de recolha e no questionário do inquérito ao emprego.

Na síntese económica de conjuntura pode ler-se que o desemprego entre Janeiro e Março aumentou para 12,4 por cento.

Lembrando o INE, os 11,1 por cento do trimestre anterior e os 10,6 por cento no período homólogo, e sublinhando novamente o efeito das alterações introduzidas na recolha de dados.

No entanto, o instituto refere que relativamente aos empregados por conta de outrem, não é evidente que as alterações no questionário tenham tido impacto nos resultados.

Assim, o INE refere que há quase 690 mil pessoas que não tem emprego, sendo que há mais mulheres no desemprego do que homens.

A faixa etária mais penalizada é a dos 45 anos ou mais, logo seguida pela faixa dos 25 aos 34. A região do Algarve regista a maior taxa de desemprego com 17 por cento, seguida pela Madeira com 13, 9 por cento e Lisboa com 13,6 por cento.

No Norte do país, a taxa de desemprego chegou aos 12,8 por cento e no Alentejo aos 12,5 por cento. O arquipelago dos Açores e o centro do país têm taxas abaixo dos dez por cento.

Quanto à escolaridade dos desempregados, entre os quase 690 mil que não têm trabalho, cerca de 68 por cento tinham completado no máximo o 9º ano, 20,3 por cento têm o ensino secundário e 12,3 completaram o ensino superior.

Olhando para os quase 690 mil desempregados, quase 90 por cento destes está à procura de um novo trabalho, sendo que mais de metade teve como última actividade o sector dos serviços.

No desemprego de longa duração, quem procura trabalho há mais de um ano, a taxa é de 6,6 por cento.

  COMENTÁRIOS