Grécia

França acusa "países mais pequenos" de serem fatores de bloqueio com a Grécia

O ministro francês das Finanças nunca se refere a Portugal, mas deixa claro que as negociações com a Grécia têm sido "incrivelmente difíceis" e o maior problema têm sido os países pequenos.

Questionado pela rádio francesa RTL sobre se "a Alemanha tem sido um factor de bloqueio", Michel Sapin responde com clareza: "Não. A Alemanha não é um factor de bloqueio. Posso garantir que o mais duro não tem sido a Alemanha; têm sido os países mais pequenos que, ao longo destes anos, têm feito esforços consideráveis". São eles que "dizem à Grécia: eu fiz todos estes esforços, estamos muito melhor, agora vocês também têm de fazê-los".

O ministro francês diz que o objectivo é chegar a um acordo, "antes do referendo, se possível". "O papel da França é tentar o acordo até ao último minuto", um acordo que permita o regresso da estabilidade à Grécia e que dê segurança à Europa e ao mundo. Sapin está convencido: "a hipótese de um acordo existe".

Entretanto, o Eurogrupo anunciou o adiamento, por algumas horas, da reunião prevista para esta manhã. Os ministros das finanças da Zona Euro reúnem-se às 16H30 (hora de Lisboa), pela terceira vez em poucas horas. O porta-voz do Eurogrupo escreve no Twitter que o adiamento tem a ver com "pedidos de vários ministros".

Também o BCE deve reunir-se hoje. Mario Draghi deverá decidir se aumenta o apoio à Grécia, numa altura em que alguns bancos voltaram a abrir esta manhã, para pagar reformas. Os pensionistas que não têm cartões bancários, podem levar até um máximo de 120 euros.

  COMENTÁRIOS