Terror em Nice

Hollande: Cerca de 50 pessoas estão "entre a vida e a morte"

"Há cerca de 50 pessoas que ainda permanecem em urgência absoluta, quer dizer entre a vida e a morte", afirmou o presidente francês.

"Entre estas vítimas, há franceses, e há também muitos estrangeiros vindos de todos os continentes e há muitas crianças, crianças jovens", declarou o chefe de Estado.

"Nós devemos... Toda a França deve partilhar esta emoção, esta solidariedade com as vítimas e os seus familiares e depois temos também a entrega, a coragem que podemos, mais uma vez observar
na mobilização de todas as forças de segurança", acrescentou François Hollande.

O presidente francês sublinhou que "estamos perante um combate que vai ser longo porque temos um inimigo que vai continuar a golpear todos os povos, todos os países que amam a liberdade como valor essencial".

"Apelo hoje, em Nice, para que a França seja mais forte do que aqueles que lhe querem mal que pensam fazer mal que infligem sofrimento... É ele, o mal que seremos capazes de vencer porque somos a França unida", concluiu.

Um camião atingiu na quinta-feira à noite uma multidão em Nice, na Promenade des Anglais, quando decorria um fogo-de-artifício para celebrar o dia de França. O último balanço das autoridades francesas aponta para 84 mortos e uma centena de feridos, 18 dos quais continuam em estado considerado crítico. O condutor do camião foi abatido pela polícia.

As autoridades francesas já consideraram estar perante um atentado e o Presidente da França, François Hollande, anunciou o prolongamento por mais três meses do estado de emergência que vigora no país desde o ano passado. França decretou luto nacional de três dias. A autoria do ataque ainda não foi reivindicada.

  COMENTÁRIOS