Colômbia

As ameaça à paz na Colômbia

O ministro do Interior colombiano, Juan Fernando Cristo, afirmou que as "maiores ameaças" ao processo de paz são o aumento do cultivo de coca e o assassinato de líderes sociais.

Estas questões (aumento do cultivo de coca e o assassinato de líderes sociais) são as duas maiores ameaças à consolidação da paz", afirmou Cristo, numa conferência no centro de estudos Diálogo Interamericano ao comentar os progressos na implementação do acordo de paz com as FARC.

Cristo salientou que "estão ali as preocupações, as prioridades e os compromissos das autoridades da Colômbia".

Se queremos realmente avançar com a paz, devemos alcançar "uma diminuição drástica e radical dos cultivos ilícitos e chegar a zero [o número] de líderes sociais ameaçados e assassinados", declarou.

O ministro comentava os recentes dados dos Estados Unidos que apontam que a produção potencial de cocaína pura na Colômbia alcançou, no ano passado, um nível recorde, ao subir 37%, para 710 toneladas, e um auge de 18% de cultivo, com 188.000 hectares.

A ONU expressou este mês a sua preocupação pela violência contra os defensores dos direitos humanos na Colômbia, tendo observado, no ano passado, 389 ataques, dos quais 59 foram homicídio.

Juan Fernando Cristo sublinhou que ambos elementos estão "conectados", pelo que a saída das FARC está a levar que bandos de criminosos e cartéis de narcotráfico aproveitem para ocupar os seus territórios para tráfico de droga e mineração ilegal.

  COMENTÁRIOS