Internacional

Max Stahl, o repórter que filmou o massacre em Timor

O massacre de Santa Cruz foi um marco dentro e fora de Timor. Mas Max Stahl garante que houve outros massacres, como o envenenamento de doentes em hospitais.

Max Stahl, jornalista que filmou mais de cinco mil horas do massacre no cemitério de Dili, mas também nos dias e anos que se seguiram a este momento trágico da história do povo timorense, garante que houve outros massacres.

"Este não foi o único, houve muitos massacres, mas este transformou-se num símbolo, numa memória de pessoas que não tinham oportunidade para falar", lembra.

Massacres que mereceram menos destaque e pouca atenção por parte dos meios de comunicação internacionais.

Por incrível que pareça, Max Stahl, que filmou a fuga dos timorenses do cemitério de Santa Cruz, não sabe em que canal e em que momento foram passadas as imagens, pela primeira vez, na televisão.

"Quando passaram pela primeira vez, eu estava na Tailândia, onde fiquei duas semanas porque precisava de descansar, mas por questões políticas e contradições internas da televisão", diz.

CAMSTL: TIMOR, O NASCIMENTO DE UMA NAÇÃO, é o nome da conferência do jornalista encerra o primeiro dia do evento "Timor, imagens e palavras que mudaram o mundo", que a Universidade de Coimbra organizou para assinalar os 25 anos do Massacre de Santa Cruz e os 20 anos da atribuição do prémio Nobel da Paz a Ximenes Belo e Ramos Horta.

"Depois do massacre não havia ninguém. Eu fiquei lá. Eu voltei sozinho. Achava que era uma causa muito pessoal. Eu vi que era uma história que tinha impacto para mim, fazia sentido dentro da minha perspetiva, mas ninguém reconhecia", conta.

Por isso, quando conseguiu o impacto com as primeiras imagens começou a pensar qual seria o próximo passo. "Eu consegui investigar um massacre num hospital com veneno. Era o encarregado do hospital, era um problema institucional", alerta.

Diz ainda o jornalista que, sem a língua portuguesa não há Timor. Um facto que era atual na altura do massacre, mas que, no seu entender, assim continua.

  COMENTÁRIOS