TSF

  • Menu
  • Em Directo
médio oriente

Síria: Explosão de veículo armadilhado causa número indeterminado de mortos em Hama

Um veículo armadilhado explodiu hoje junto a instalações militares na localidade de Mahrada, bastião da oposição em Hama, centro da Síria, causando um número indeterminado de vítimas, segundo grupos opositores locais.

PUB

Os Comités de Coordenação Local adiantaram em comunicado que foram encontrados os corpos de sete pessoas na sequência de uma explosão numa zona de segurança militar.

O Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), sediado em Londres, adiantou que um carro armadilhado explodiu junto a um quartel, causando a morte a pelo menos quatro pessoas, o mesmo número avançado pela agência de notícias oficial Sana, que adianta tratar-se de um camião.

Fontes locais disseram ainda que pelo menos 22 pessoas morrem hoje na Síria, incluindo uma grávida, enquanto continuam os bombardeamentos das forças armadas sírias às cidades de Hama e Homs, no centro, e na localidade de Jirbet Gazaleh, no sul, entre outros lugares.

O OSDH fala em 28 mortos, adiantando que está em curso um ataque das forças sírias contra a localidade de Deraa, no sul, e decorrem combates entre as forças sírias e os rebeldes próximo da fronteira com a Turquia.

A violência continua na Síria, onde os observadores das Nações Unidas tentam hoje entrar na localidade de Treimsa, província de Hama, onde na quinta-feira terão morrido mais de 200 pessoas num ataque das forças do regime de Bashar Al-Assad.

Na sexta-feira, pelo menos outras 118 pessoas, na maioria civis, terão morrido em várias regiões da Síria.

As tropas sírias dispararam sobre manifestantes em Damasco e Alepo e envolveram-se em confrontos com grupos rebeldes em várias localidades de Idleb, segundo fontes locais.

O mais recente balanço do OSDH dá conta da morte de 49 civis, incluindo 11 crianças, 37 soldados e 32 rebeldes.

De acordo com a OSDH, mais de 17.000 pessoas foram mortas na Síria desde o início em meados de março de 2011 de uma revolta popular contra o regime.

  COMENTÁRIOS