PSD

Menezes pede aos portugueses que dêem voto «patriótico» a Passos

O ex-líder do PSD Luís Filipe Menezes, apelou ao eleitorado para que dê um voto «racional, pragmático e patriótico» para que Passos Coelho consolide uma maioria.

«O eleitorado do espaço não socialista tem que perceber uma realidade aritmética clara: cada voto que for para outro partido que não o PSD, é fazer o jogo do engenheiro Sócrates, é fazer o jogo do PS», defendeu Luís Filipe Menezes, num amoço em Alcobaça.

Neste sentido, o antigo presidente "laranja" apresentou uma razão política para que a direita escolha Pedro Passos Coelho.

«No espaço não socialista só há um líder que nunca esteve comprometido com a governação, só há um líder que está de mãos limpas em relação ao passado, só há um líder que nunca esteve envolvido em imbróglios, em querelas, em situações que de uma certa forma colocaram em causa a própria afirmação positiva da governação», sustentou.

Por todos estes motivos, Luís Filipe Menezes disse não haver «nenhuma razão para que não haja para além do voto convicto, que já nos dá uma larga maioria, não haja um «voto racional, pragmático, patriótico a consolidar uma maioria de Pedro Pasos Coelho que lhe permita, porventura, governar sozinho o país».

Paulo Portas não foi o único alvo das críticas de Menezes, também o nome de José Sócrates "veio à baila".

«A governação do autismo, da crispação, do autoritarismo, da artificialidade, do teleponto, das camisas engomadas. Tudo aquilo que o nosso líder não é», afirmou Luís Filipe Menezes.

  COMENTÁRIOS