PSD

Passos diz que não vai propor referendo ao aborto

O líder do PSD afirma que a decisão de um novo referendo ao aborto é dos cidadãos. Para Passos Coelho a lei que foi aprovada respeita a legalização e não a liberalização do aborto.

O presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, afirmou esta quinta-feira, que não vai propor um novo referendo sobre o aborto. Admitiu, porém, que isso possa acontecer por iniciativa dos cidadãos, mas não antes de uma avaliação da actual lei que despenaliza a interrupção voluntária da gravidez até às dez semanas.

«Se os cidadãos quisessem propor a realização de um referendo, ele não deveria ocorrer antes de se realizar uma avaliação sobre a forma como foi executada a última lei que foi aprovada», frisa Passos Coelho.

Questionado sobre se defende a liberalização do aborto,o social democrata assegura que «esta lei não liberaliza o aborto, mas que foi um pouco mais longe em matéria de legalização».

Sobre uma alteração na lei, Passos esclarece: «não podemos fazer referendos e mudar leis todos os dias, mas devemos fazê-lo de acordo com a avaliação que fazemos da execução da lei».

  COMENTÁRIOS