Legislativas 2011

Rangel recupera discurso da «asfixia democrática» de Ferreira Leite

Em Bragança, Paulo Rangel considerou que José Sócrates «governou condicionando os meios de comunicação social» e «com os subsídios e os prémios que pagava».

O eurodeputado Paulo Rangel recuperou, na quinta-feira, o discurso da «asfixia democrática» feita pela então líder do PSD, Manuela Ferreira Leite nas legislativas de 2009, ao considerar que José Sócrates «governou Portugal condicionando Portugal».

«Condicionava os meios de comunicação social, condicionava com os subsídios e os prémios que pagava. Era tudo aquilo que sabíamos e que foi ao longo de cinco ou seis anos a claustrofobia democrática», explicou o deputado europeu eleito pelo PSD.

Num comício em Bragança, Rangel descreveu esta «claustrofobia democrática» como uma «forma de tentar espartilhar e condicionar a sociedade portuguesa» e disse que o seu partido «não tem medo do medo»

Este eurodeputado acusou ainda o primeiro-ministro de ser o «rosto do medo» de que Passos Coelho fala e garantiu que o PSD tem para dar uma «resposta como aquela que o nosso presidente [Passos Coelho] deu no debate com José Sócrates».

Por seu lado, Passos Coelho frisou que «nunca prometeu a ninguém que as auto-estradas eram para ser à borla», uma ideia que reiterou perante os que o escutavam.

«Podemos fazer um desconto nas regiões que são mais atrasadas em termos económicos, mas nunca cairei daqui a baixo dizendo que vamos fazer como os socialistas fizeram 'é tudo à grande e à borla' e depois vamos pedir ao FMI e aos países europeus que nos paguem a factura», concluiu.

  COMENTÁRIOS