Asia Bibi

A história da mulher condenada à morte por blasfémia

Asia Bibi (ou Asia Noreen) é uma mulher católica num Paquistão de 170 milhões de muçulmanos. Em Junho de 2009, quando trabalhava no campo e foi mandada buscar água, acusaram-na de contaminar o recipiente por não ser muçulmana. Exigiram que se convertesse ao Islão, o que ela recusou. Foi condenada à morte, por blasfémia, por alegadamente ter comparado Jesus Cristo a Moamé. Dois altos dirigentes do Paquistão, que mostraram simpatia pela sua causa, já foram assassinados, enquanto ela espera por um perdão ou pela execução.

Nesta fotogaleria contamos a história de Asia Bibi, 37 anos, que juntou à sua causa o presidente do Paquistão (impedido por um tribunal local de comutar a pena), o Papa Bento XVI, que pediu o perdão, e personalidades de muitos países.

Em Portugal, Paula Teixeira da Cruz, Leonor Beleza, Esther Mucznik, Eunice Muñoz ou Rosa Mota foram algumas das pessoas que assinaram uma carta, proposta por Manuela Eanes, a enviar para o Paquistão. É entregue na Embaixada do Paquistão esta quarta-feira, 1 de Fevereiro.

Um trabalho de João Paulo Meneses.

  COMENTÁRIOS