Ensino Básico

Governo pondera fechar 654 escolas do primeiro ciclo (actual.)

O Ministério da Educação tenciona encerrar 654 escolas do primeiro ciclo do ensino básico com menos de 20 alunos, no âmbito do plano de reorganização da rede escolar.

A medida ainda está a ser discutida entre o Governo e os municípios, mas os agrupamentos de escolas já receberam ordens para não aceitarem novas matrículas e informarem os pais que devem aguardar pela entrada em funcionamento da plataforma que vai centralizar o processo.

O número 654 resulta de um levantamento feito das escolas com menos de 20 alunos, cruzado com dados da Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP), que desde o ano passado efectuou vários inquéritos às autarquias.

O coordenador do ensino básico da Federação Nacional de Professores (FNE) disse que a confirmar-se o encerramento destas escolas traduzir-se-á no «fechar» de muitas aldeias do interior do país.

«Pode parecer poucos alunos, mas uma aldeia que tem hoje 20 crianças no primeiro ciclo, nalgumas regiões é uma aldeia já de uma dimensão razoável», advertiu.

Este encerramento tem já alguns sinais, avisou Francisco Almeida, dando como exemplo o facto de os agrupamentos de escolas não estarem a aceitar matrículas.

«Há aqui qualquer coisa que não está explicada. Eu tenho alguma dificuldade em perceber que não se possam fazer as matriculas no primeiro ano de escolaridade, porque a plataforma electrónica não está feita. Não gosto de fazer especulações. O tempo virá demonstrar o que o Governo ainda não disse acerca deste adiamento das matrículas no primeiro ciclo, que é um mau sinal», alertou.

O Governo ainda não confirmou o encerramento de 654 escolas. Caso se confirme, Viseu, com 74 escolas, das quais 20 na capital do distrito, será a região mais afectada.

Entretanto, o Ministério da Educação garantiu que o processo de encerramento das escolas do primeiro ciclo com menos de 20 alunos vai continuar em Setembro. Para já, continuam as reuniões entre autarquias e Ministério, por isso é prematuro adiantar o número de escolas que vão fechar portas.

  COMENTÁRIOS