TSF

  • Menu
  • Em Directo
tvi

Assis diz que relatório não demonstra acusações feitas ao primeiro-ministro

O líder parlamentar do PS considera que a proposta de relatório da comissão de inquérito à tentativa de compra da TVI evidencia que «quem se empenhou numa campanha caluniosa contra o primeiro-ministro não foi capaz de demonstrar essas acusações».

PUB

Numa declaração no final da reunião da comissão parlamentar onde o deputado do bloco de esquerda apresentou a proposta de relatório, Francisco Assis disse que «o que fica muito claro é que mesmo os que se empenharam em lançar esta campanha caluniosa contra o primeiro ministro e contra o PS não são capazes de sustentar com rigor essas acusações».

O líder parlamentar do PS adiantou que não foi possível provar as acusações porque nunca existiram.

«Como sempre dissemos o Governo não desenvolveu nenhuma iniciativa para controlar a TVI e o primeiro-ministro não mentiu ao parlamento», frisou.

A proposta de relatório elaborada pelo deputado do Bloco de Esquerda João Semedo, dá como adquirido que José Sócrates tinha conhecimento do negócio quando disse na Assembleia da República que não sabia e, para o provar, aponta, entre outros elementos, as próprias respostas do primeiro ministro à comissão de inquérito.

O mesmo documento conclui que o negócio teve «a perspectiva» de alteração da linha editorial daquela estação e destaca o «papel proeminente» e as ligações políticas do ex-administrador Rui Pedro Soares.

Francisco Assis disse ainda que o relatório «é insinuoso e que remete para um evidência absoluta de incapacidade de fundamentarem as graves acusações que lançaram contra o primeiro-ministro, contra o partido socialista e contra o Governo».

O líder da bancada parlamentar socialista disse ainda que o PS vai discutir o relatório e que se não houver alterações em relação a aspectos que considera importantes votará contra.

«O relatório não fundamenta nada nem prova nada. Está cheio de insinuações  algo perversas e por isso não pactuaremos com o último ato de uma peça vergonhosa em que várias pessoas se envolveram nos últimos meses na vida política portuguesa», disse, frisando que este não é o relatório que João Semedo gostaria de elaborar «mas não pode faze-lo porque não houve da parte do Governo intenção de controlar a TVI nem do primeiro-ministro de mentir na Assembleia da República».

  COMENTÁRIOS