Eleições

CNE desdramatiza elevada abstenção nas autárquicas

O presidente da Comissão Nacional de Eleições acredita que foi a conjugação de uma série de fatores, que não se devem voltam a repetir, que motivaram os números recorde da abstenção.

A reorganização das freguesias, um excesso de candidaturas e até o mau tempo são algumas das razões que a Comissão Nacional de Eleições (CNE) acredita que afastaram ainda mais os portugueses das urnas.

A CNE ainda vai analisar o que se passou no último domingo. À TSF, o presidente Fernando Costa Soares admite, no entanto, não estar preocupado e afirma que não haverá, no futuro, uma conjugação de tantos fatores que afastem os eleitores do voto.

«As pessoas estavam descontentes com a reforma administrativa das freguesias, se estivesse bom tempo eventualmente podiam ir, e isso tudo junto pode ter desmotivado. A proliferação de candidaturas, às vezes as pessoas hesitam entre tantos candidatos», exemplifica.

A Comissão Nacional de Eleições faz regularmente campanhas de apelo ao voto. O presidente acredita que não são um fracasso e que se não existissem, a abstenção podia ser ainda pior.

  COMENTÁRIOS