Transportes Públicos

Greve dos trabalhadores do metro de Lisboa sem serviços minímos

O Tribunal Arbitral do Conselho Económico e Social (CES) não decretou serviços mínimos para a greve dos trabalhadores do Metropolitano de Lisboa, na quinta-feira.

Ao contrário do estipulado para a greve do passado dia 15 de outubro, o CES decidiu desta vez que «não são fixados quaisquer serviços mínimos relativamente à circulação de composições», lê-se no acórdão publicado na sua página da internet.

Face a esta decisão, fonte do metro admitiu à agência Lusa que as estações estarão fechadas nesse dia.

Na última greve, devido à decisão do CES, a Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans) suspendeu a paralisação e substituiu-a por «um dia de luto».

Segundo o sindicato, os serviços mínimos obrigam muitos trabalhadores a prestarem serviço e impede-os de «exercerem o direito à greve».

Os trabalhadores do Metropolitano de Lisboa agendaram uma greve de 24 horas para quinta-feira, depois de 36 organizações sindicais e comissões de trabalhadores do setor dos transportes terem decidido avançar com uma quinzena de greves, entre a próxima sexta-feira e dia 08 de novembro, contra as propostas do Orçamento do Estado para 2014.

  COMENTÁRIOS