TSF

  • Menu
  • Em Directo
estado maior da armada

Portugal atravessa tempestade que acabará em bonança, diz CEMA

No seu primeiro discurso como chefe do Estado-maior da Armada, o almirante Macieira Fragoso lembrou que a falta de recursos financeiros tem levado à «falta de atividade dos navios com funestas consequências para o adestramento da esquadra».

PUB

O novo chefe do Estado-maior da Armada (CEMA) admitiu que Portugal atravessa uma tempestade que acabará por trazer bonança e lembrou que a Marinha tem de se adaptar às novas circunstâncias do país.

No seu primeiro discurso como CEMA, o almirante Maciera Fragoso apontou problemas sérios decorrentes das restrições orçamentais e recordou que Portugal vive momentos de extrema dificuldade.

«A continuada exiguidade de recursos financeiros para afetar a operação e manutenção da esquadra tem conduzido a uma preocupante falta de atividade dos navios com funestas consequências para o adestramento da esquadra», explicou.

Ao lembrar os problemas que as dificuldades financeiras têm criado, Maciera Fragoso disse estar apostado numa reestruturação ponderada e não porque reestruturar está na moda.

«Pretendo reavaliar as diversas carreiras de militares no sentido de procurar a maior flexibilidade possível na reestruturação das carreiras e no provimento dos cargos bem como procurar a constante adaptação para que a formação ministrada na Marinha a todos os níveis seja efetivamente relevante e eficiente», frisou.

Macieira Fragoso assinalou ainda que a «importância do mar para a economia portuguesa parece por demais evidente e poderá e deverá ser mais preponderante, o que exige vontade para apostar no mar e nas atividades com ele relacionadas».

  COMENTÁRIOS

Em Directo

Registe-se e receba diariamente a nossa Newsletter