Rui Rio

«É um erro ser candidato muito cedo», defende Rui Rio

O autarca não disse para quem era o conselho, mas Rui Rio critica quem se anuncia candidato às autárquicas demasiado cedo e tem depois de desdobrar-se em promessas.

«É um erro ser candidato muito cedo, com muito tempo pela frente, porque o candidato tem de dizer muitas coisas, tem de falar muitas vezes e, a dada altura, já tem 20 prioridades porque, semana sim semana não, teve de dizer alguma coisa. E não se pode ter 20 prioridades», disse Rui Rio, ontem à noite em Setúbal.

O presidente da Câmara Municipal do Porto aconselhou os futuros candidatos autárquicos do CDS/PP de Setúbal a serem rigorosos na definição de prioridades e gestão dos dinheiros públicos e a não apresentarem candidaturas demasiado cedo.

Rui Rio lembrou que estabeleceu apenas três prioridades: coesão social, reabilitação urbana e mobilidade, quando foi eleito pela primeira vez para a Câmara do Porto, em 2001, assegurando que voltaria a fazer o mesmo.

O autarca portuense, que cumpre o último mandato como presidente da Câmara Municipal do Porto, falava a cerca de uma centena de pessoas, incluindo autarcas e futuros candidatos a diferentes órgãos autárquicos da região de Setúbal.

No encontro promovido pelo CDS/PP de Setúbal subordinado ao tema "Autarquias Locais - Modelos de Gestão (Desafios, Políticas & Soluções)", que contou com a presença de dirigentes locais do PSD, Rui Rio reafirmou também que a sobreorçamentação foi a principal causa da situação financeira difícil em que se encontram alguns municípios.

«O problema principal é naquilo que se chama receitas extraordinárias. Olho para o património da câmara, tenho aqui dez terrenos, digo que vou vender os dez terrenos, cada um vale um milhão. Eu digo que vele cinco milhões. E aí tenho uma autorização de 50 milhões para fazer despesa. No fim, o dinheiro não aparece e o défice está lá», disse.

«É assim que isto foi vigarizado e aldrabado por este país fora», acrescentou o autarca social-democrata ressalvando, no entanto, que a divida dos municípios representa apenas uma pequena parcela das dívidas do Estado.

No jantar encontro realizado em Setúbal, Rui Rio defendeu ainda que os presidentes de câmara deveriam assumir-se sempre como «presidentes do Conselho de Administração de um grupo de empresas», não permitindo a sobreorçamentação nem atrasos significativos no pagamento a fornecedores.

Sobre a limitação de mandatos autárquicos, Rui Rio reafirmou a ideia de que se trata de uma limitação que, a longo prazo, é favorável ao interesse público. «Acho que é bom que haja uma efetiva limitação de mandatos», disse.

Para Rui Rio, mesmo quando não está em causa a seriedade dos autarcas, «pode haver constrangimentos» provocados por relações de proximidade estabelecidas ao longo de muitos anos.

  COMENTÁRIOS