José Sócrates

José Sócrates está detido em Évora

O Diário de Notícias conta que o antigo primeiro-ministro foi encaminhado para o Estabelecimento Prisional de Évora, depois de lhe ser aplicada a medida de coação mais gravosa, prisão preventiva. O Jornal de Notícias adianta que o advogado João Araújo estava há um mês a preparar a defesa de Sócrates.

O Jornal de Notícias garante que João Araújo, advogado de José Sócrates, andava há mais de um mês a preparar a defesa do cliente. Conta o JN que o antigo primeiro-ministro sabia que andava a ser investigado e colocou de pré-aviso um jurista que já conhecia por ter prestado serviço jurídicos à sua mãe. O JN acrescenta que há um mês, João Araújo procurou saber junto de intervenientes no processo Face Oculta qual o ponto da situação das célebres escutas com Armando Vara e que foram mandadas destruir por Noronha de Nascimento, anterior presidente do Supremo Tribunal de Justiça.

O Diário de Notícias garante que a decisão de manter José Sócrates detido só foi decretada porque o procurador do Ministério Público Rosário Teixeira assim a requereu. O DN conta que a decisão foi discutida na passada quinta-feira com o diretor do DCIAP, Amadeu Guerra, e com a própria Procuradora-Geral da República, Joana Marques Vidal.

Na edição de hoje do DN ficamos, ainda, que o principal fundamento para a prisão preventiva de José Sócrates foi o perigo de perturbação da investigação. Ainda de acordo com o DN, citando fontes prisionais, o ex-governante foi encaminhado para o Estabelecimento Prisional de Évora. Perto da meia-noite, a direção da prisão, indicada para membros das forças de segurança, militares e magistrados, recebia ordens para acolher José Sócrates. O motorista João Perna e o empresário Carlos Santos Silva estão no estabelecimento prisional da Polícia Judiciária.

O Público escreve, também, que o fundamento para a prisão preventiva de José Sócrates foi o perigo de perturbação da investigação. O Correio da manhã acrescenta um outro, o de preservação da prova. O jornal informa que a opção de não mencionar a fundamentação no comunicado lido ao final da noite por uma funcionário judicial visou preservar o segredo da investigação.

O Correio da Manhã adianta, ainda, que a Autoridade Tributária, através da Direção de Serviços de Investigação da Fraude e de Ações Especiais, continuou ontem a analisar milhares de transações realizadas por empresas e instituições financeiras, no sentido de estabelecer mais pontos de contacto entre os vários intervenientes deste processo.

O jornal i escreve que a atividade de José Sócrates na farmacêutica Octopharma está na mira da justiça portuguesa, mas o ex-primeiro-ministro poderá ter também ligações a um esquema de corrupção desmontado no Brasil. Para o DCIAP, o seu cargo serviria para justificar que parte do dinheiro que estava numa offshore do amigo Carlos Santos Silva pudesse entrar nas suas contas todos os meses. Ou seja, na prática, o circuito de dinheiro desmontado pelo MP português demonstraria que o salário de Sócrates seria pago afinal com dinheiro que lhe pertencia.

  COMENTÁRIOS