PEC

Oposição reage com protesto ao PEC 4

A divulgação do Programa de Estabilidade e Crescimento proposto pelo PS levou a oposição a contestar as medidas de desempenho económico apresentadas por José Sócrates. O documento é discutido esta quarta-feira no Parlamento.

As críticas de Pedro Passos Coelho remetem para à posição do presidente do Eurogrupo, Jean-Claude Junker, que na opinião do social democrata, faz «muito bem» em não se intrometer nas questões internas portuguesas, referindo que «as medidas apresentadas em Bruxelas não são negociáveis».

Em resposta, o ministro dos Assuntos Parlamentares, refere que os sociais democratas estão a ser incoerentes. Os socialistas esperavam que o PSD estivesse «disponível para o diálogo e para a negociação e que não fosse irredútivel». Face à posição de Passos Coelho, Jorge Lacão questiona quais as soluções alternativas que o PSD apresenta.

Por sua vez, o líder do Bloco de Esquerda crítica «a ideia de que se deve diminuir as pensões de uma grande parte dos reformados, reduzir os salários e facilitar os despedimentos». Para Francisco Louçã, existe «uma espécie de obsessão ideológica e de fanatismo do Governo para que o trabalho seja mais barato, mais desqualificado e pobre».

Notícias Relacionadas

  COMENTÁRIOS