PSD

Passos Coelho admite subida de IVA

O líder do PSD assumiu em Bruxelas o «compromisso» de não proceder a cortes salariais ou das pensões se tiver necessidade de «mexer nos impostos», mas admitiu uma subida do IVA.

Falando à entrada de uma cimeira do Partido Popular Europeu (PPE), Pedro Passos Coelho, questionado sobre as notícias de que o PSD pensa evitar cortes nas reformas através de uma subida do IVA, escusou-se a entrar em detalhes, alegando que a oposição desconhece a real situação financeira do país, mas confirmou que, a ter de haver ajustamentos, será nos impostos sobre o consumo.

«Até haver um conhecimento completo da situação financeira portuguesa, não é possível a nenhum responsável dizer que não será necessário mexer nos impostos. Mas se ainda vier a ser necessário algum ajustamento, a minha garantia é de que seria canalizado para os impostos sobre o consumo, e não para impostos sobre o rendimento das pessoas», disse.

O líder do PSD garantiu mesmo que, desde já, «fica o compromisso expresso do PSD em como não haverá recurso a medidas que afectem as pensões mais degradadas ou as reformas, tal como estava prevista no Programa de Estabilidade e Crescimento».

«Portanto, a haver algum ajustamento que seja necessário fazer, será mais por via dos impostos sobre o consumo do que do rendimento das pessoas através dos impostos ou através de cortes salariais ou das pensões», reforçou.

Passos Coelho participa hoje na cimeira do PPE, que se realiza à margem do Conselho Europeu, tendo também previsto um encontro, à noite, com militantes sociais-democratas na capital belga.

Notícias Relacionadas

  COMENTÁRIOS