Política

PSD aumenta vantagem sobre PS, indica Barómetro

Segundo o Barómetro, o PSD aumentou para mais de seis pontos a sua vantagem sobre os socialistas. Em termos de popularidade, Cavaco, Sócrates, Passos Coelho e Portas subiram.

A menos de um mês das eleições, o PSD aumentou a sua vantagem sobre o PS para mais de seis pontos percentuais e se se coligasse com o CDS-PP teria maioria absoluta, indica o Barómetro.

Segundo este estudo da Marktest feito para a TSF e o Económico, o PSD sobem 4,4 pontos para quase 40 por cento das intenções de voto e fica com 6,3 pontos de avanço sobre os socialistas, que tinham um ponto de avanço sobre os sociais-democratas há um mês.

Tal como o PSD, também o CDS-PP recupera 1,5 pontos, ao passo que o PS desce 2,7 pontos percentuais num estudo feito depois de serem conhecidas em detalhe as contrapartidas pelo resgate financeiro de Portugal.

Por seu lado, CDU e Bloco de Esquerda, que recusaram encontrar-se com os elementos da troika também descem, com a coligação liderada pelo PCP a cair 1,6 pontos e os bloquistas a perderem 1,2 pontos.

A menos de semana e meia do início da campanha eleitoral baixaram também o número de indecisos em três pontos, muito embora um terço dos 805 inquiridos ainda não sabe em quem vai votar ou então prefere não responder.

Em termos de popularidade, Cavaco Silva, que em Abril tornou-se no primeiro Presidente da República com balanço negativo no Barómetro, recuperou e agora são 48 por cento dos inquiridos a considerarem está a ter uma actuação positiva.

Depois de ter falado ao país e apelado diversas vezes ao entendimento entre partidos, 36 por cento dá-lhe nota negativa, o que lhe dá um saldo positivo de 12 pontos.

Entre os líderes partidários, Paulo Portas é o que mais sobe, passando de um saldo negativo de sete pontos para um quatro pontos positivos, o que dá a sua primeira apreciação positiva desde Setembro.

Passos Coelho recupera 5,6 pontos entre Abril e Maio, mas fica ainda com 23,6 pontos negativos, enquanto que José Sócrates sobre 1,5 pontos para 45,5 pontos negativos.

Por seu lado, Francisco Louçã caiu quase 17 pontos para os 39,2 pontos negativos, enquanto que Jerónimo de Sousa caiu 13 pontos percentuais para os 31 pontos negativos.

  COMENTÁRIOS