Saúde Ambiental

Não basta apagar o fogo, é preciso verificar o que ficou contaminado

Em Pedrógão Grande, a unidade móvel de Saúde Publica está a tentar perceber de que forma a contaminação do ar, depois do grande fogo, está a afetar a qualidade de vida das populações.

A unidade móvel de Saúde Pública que já está em Pedrogão Grande integra técnicos de Saúde Ambiental. Num primeiro momento a prioridade foi dada à saúde mental e física mas agora está na hora de prevenir outros riscos.

Os técnicos de saúde ambiental lidam com tudo o que, no Ambiente, pode afetar a saúde humana.

Susana Viegas, diretora do curso de Saúde Ambiental na Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa, fala do caso concreto dos incêndios para dizer que os técnicos vão estar atentos a situações que possam ter levado à contaminação de água para consumo humano, identificar se ainda há poluição no ar e perceber se as habitações que ficaram parcialmente destruídas podem voltar a ser habitadas.

Os técnicos precisam ainda de saber se não há consumo de alimentos que foram contaminados por causa do incêndio, e esta procura abrange não só os produtos hortícolas mas também o leite de animais que estiveram expostos ao incêndio ou que possam a estar a ser alimentados com produtos contaminados.

Susana Viegas diz que depois de feito o levantamento os técnicos têm capacidade para propor medidas que devem ser tomadas para evitar riscos maiores.

A diretora do curso de Saúde Ambiental na Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa explicou à TSF que os técnicos não trabalham só em casos excecionais como o dos incêndios

No dia-a-dia podem atuar noutros contextos como por exemplo fábricas ou hospitais.

  COMENTÁRIOS