Furacão

Portugueses afetados pelo Irma chegam esta quinta-feira a Lisboa

Os cidadãos portugueses que estavam nas Caraíbas durante a passagem do furacão chegam ao final da tarde ao aeroporto militar de Figo Maduro, em Lisboa.

Os emigrantes, residentes nas ilhas de Saint-Barthélemy e Saint-Martin, partiram na quarta-feira ao final da tarde da ilha de Guadalupe, adiantou à agência Lusa o Secretário de Estado das Comunidades, José Luís Carneiro.

No avião viajam um total de 70 pessoas, das quais 20 crianças, a grande maioria portugueses, mas também um cidadão romeno e uma brasileira. Dos cidadãos que são agora repatriados, 65 residem na ilha de Saint-Barthélemy e os restantes cinco em Saint-Martin.

A viagem incluiu uma escala em Belém, no Brasil, durante a madrugada, e outra na ilha do Sal, em Cabo Verde, onde chegaram ao início da tarde, prosseguindo depois em direção a Lisboa.

"O embaixador Júlio Vilela disse-me que as pessoas estavam muito bem-dispostas, a cantar o hino nacional e a dar vivas a Portugal", relatou Carneiro.

No aeroporto de Figo Maduro, estarão à espera dos portugueses autocarros enviados pelos municípios de origem - a grande maioria do norte do país -, que os levarão para as localidades respetivas.

O secretário de Estado referiu que os voos comerciais estão a ser restabelecidos nas Caraíbas, pelo que "as pessoas já têm condições para circular", terminando assim a operação de evacuação realizada pelo Governo no âmbito de "uma situação de emergência" causada pela passagem do furacão Irma na região.

José Luís Carneiro, que se encontrava de manhã na ilha de Guadalupe, espera viajar ainda hoje para Saint-Barths, onde reside o maior número de cidadãos nacionais - cerca de dois mil - e que foi muito afetada pela tempestade.

  COMENTÁRIOS