TSF

  • Menu
  • Ouvir Emissão
justiça

José Veiga e irmão de Santana Lopes detidos por suspeitas de corrupção

A Policia Judiciária deteve dois homens e uma mulher por suspeitas dos crimes de corrupção no comércio internacional, branqueamento de capitais, tráfico de influências, participação económica em negócio e fraude fiscal, informou a PJ.

PUB
Natacha Cardoso/Global Imagens

José Veiga, Paulo Santana Lopes e uma advogada que trabalha com os dois foram detidos pela Polícia Judiciária (PJ), segundo avançou o Correio da Manhã. O comunicado divulgado na página oficial da PJ, bem como a nota enviada à comunicação social não adiantam nomes.

Diz apenas que se trata de dois homens e uma mulher, com idades entre 53 e os 57 anos. Foram detidos depois de buscas nas zonas de Lisboa, Braga e Fátima. Foram feitas 35 buscas, por 120 elementos da Polícia Judiciária e dez magistrados.

Os três detidos celebravam contratos de fornecimento de bens e serviços nos setores das obras públicas, construção civil e venda de produtos petrolíferos. Esses contratos envolviam entidades públicas e privadas.

O dinheiro que resultava destas transações era usado para comprar casas, carros de alta cilindrada e outros bens. Estavam envolvidas pessoas com conhecimentos especiais e colocadas em lugares privilegiados. A origem do dinheiro era ocultada.

A investigação do Ministério Público começou no final de 2014. Levou agora a estas três detenções e também à apreensão de várias casas, automóveis de alta cilindrada e saldos bancários.

A PJ informa que os detidos vão ser ouvidos para eventual aplicação de medidas de coação.

Num outro comunicado, enviado à TSF, a Procuradoria-Geral da República acrescenta que foram também feitas buscas numa instituição bancária e a três escritórios de advogados.

A PGR faz ainda saber que se trata de uma investigação internacional, com ligações aos "continentes europeu, africano e americano".

Na edição "online", o Correio da Manhã revelou que estão em causa dezenas de milhões de euros. Dinheiro com origem no Congo e que passou por contas portuguesas.

  COMENTÁRIOS

Ouvir Emissão