Ambiente

Ruído a mais, ação a menos

A Associação ambientalista ZERO enviou uma queixa à Comissão Europeia pela violação, em Portugal, das regras comunitárias contra a poluição sonora.

Francisco Ferreira, presidente da ZERO

A queixa da ZERO "prende-se com o enorme incumprimento de prazos que deveriam ter sido respeitados na elaboração dos mapas estratégicos de ruído e dos planos de ação associados, em caso de ultrapassagem dos indicadores de ruído".

Francisco Ferreira, o presidente da associação diz que há municípios e infraestruturas rodoviárias e ferroviárias que não estão a respeitar as normas europeias que obrigam as autarquias e as infraestruturas de transporte a apresentarem mapas estratégicos de ruído com o diagnóstico da situação.

Pelas contas da Zero, mais de metade dos municípios portugueses, não apresentaram o mapa nem plano de ação. "Após 9 anos da mais recente legislação nacional estruturante na área do ruído, é profundamente lamentável que apenas 134 dos 278 municípios de Portugal Continental tenham efetuado e entregue oficialmente à Agência Portuguesa do Ambiente, o mapa de ruído obrigatório", diz a ZERO.

Ou seja, 144 municípios no Continente não tem mapas de ruído e daqueles que o têm, quando a poluição sonora ultrapassa os limites só 5 municípios fizeram medidas de redução. Por isso a ZERO sublinha que "é inacreditável que os planos municipais de redução de ruído, obrigatórios desse 2009, tenham sido elaborados apenas por quatro municípios Alvaiázere, Póvoa de Varzim, Sernancelhe e Vila Franca de Xira), no contexto das obrigações exclusivamente nacionais, e por um município (como plano de ação), no contexto das obrigações europeias (Lisboa)".

É por esta situação que a ZERO avançou com uma queixa na Comissão Europeia. Para Francisco Ferreira Portugal não deveria ser condenado por esta queixa, esta atitude é mais no sentido de fazer o governo atuar.

Uma queixa pedagógica para que o Governo mande a Inspeção Geral do Ambiente atuar junto das autarquias que não cumprem a Lei do Ruído.

Os ambientalistas dizem que 12 em cada 100 portugueses estão expostos a ruídos que provocam perturbações no sono e consideram urgente a atuação da Comissão Europeia.

Contactada pela TSF, a Associação Nacional de Municípios não se pronuncia, porque não conhece a queixa que a associação ambientalista Zero enviou para Bruxelas. A associação diz que não foi sequer contactada pela Agência Portuguesa do Ambiente.

  COMENTÁRIOS