Sociedade

"Tinha que deixar de pagar a renda para tomar a medicação"

Hélia Carvalho tem 60 anos e menos de 200 euros por mês. É uma das beneficiárias do projeto "Porto Com + Saúde", que surgiu há cerca de um ano e apoia atualmente 60 famílias carenciadas.

Teresa Couto, aluna da Faculdade de Farmácia da Universidade do Porto e presidente da Associação Cura +, coordena este projeto.

A área de ação deste grupo de estudantes está para já centrada na baixa do Porto e eles contam com o apoio de seis farmácias.

Um ano depois de ter sido iniciado, o projeto "Porto Com + Saúde", diz Teresa Couto, chega nesta altura a 60 agregados familiares. "Doámos mais de 650 medicamentos, não podia ser um balanço mais positivo", sublinha

Agora, para além dos medicamentos, a Associação Mais Saúde está apostada em dar às pessoas mais carenciadas mais literacia na área dos fármacos com o projeto Polimedicação + Segura.

Hélia Carvalho conta que chegou a tomar duas dezenas de comprimidos por dia. Mas as dificuldades económicas começaram a travar os tratamentos: "Deixei de tomar a medicação, porque não podia mesmo". Não foi muito tempo, garante ela, porque foi rapidamente sinalizada pelo Projeto Porto Com Mais Saúde

  COMENTÁRIOS