Ambiente

Quantas espécies desaparecem por ano no Mundo?

A dúvida, a que ninguém consegue responder, leva uma equipa de 30 cientistas, liderada por um português, a propor que se desenvolva um sistema de monitorização da biodiversidade do planeta.

A acção do Homem e a poluição estão a extinguir muitas espécies, mas ninguém sabe ao certo quantas. Um artigo a publicar amanhã na reconhecida revista Science apresenta uma série de variáveis consideradas essenciais para medir a biodiversidade que está a desaparecer do planeta.

A proposta é feita por 30 cientistas internacionais liderados por um português. À TSF, Henrique Miguel Pereira conta que alguns estudos apontam para dezenas de espécies que se extinguem todos os anos, mas outros falam mesmo em milhares. Na verdade, ninguém sabe ao certo como está a evoluir a biodiversidade no Mundo, apesar de tudo indicar que anda mal.

O cientista do Centro de Biologia Ambiental da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa explica que é certo que "estamos a levar as espécies a extinguirem-se a taxas centenas ou talvez milhares de vezes superiores ao que aconteceu nos últimos milhões de anos, numa verdadeira catástrofe em termos de biodiversidade".

Henrique Miguel Pereira revela que o artigo a publicar amanhã na revista Science identifica 6 variáveis essenciais para medir a evolução dessa biodiversidade. Primeiro, é preciso saber a abundância de grupos de espécies.

Os cientistas recorda que há vários países com esquemas de contagem de aves, feitos por cidadãos voluntários, que têm informações, de ano para ano, que são dos melhores dados disponíveis para saber como anda a evolução das espécies, permitindo-nos saber, por exemplo, que a diminuição de aves comuns tem sido "dramática" em vários países europeus.

Outra variável fundamental é a composição genética. Henrique Miguel Pereira recorda que temos muitos estudos sobre a diversidade genética das espécies, mas não sabemos como é que esta tem evoluído.

Depois, é também importante perceber como estão a evoluir os habitats que suportam a vida dos animais, numa análise que já pode ser feita por satélite.

O grupo de investigadores liderado por este português diz que é fundamental perceber quantas espécies se extinguem num ano, até para planear as melhores políticas e evitar perdas ainda maiores no futuro.

O objectivo da Rede de Observações de Biodiversidade do Grupo de Observações da Terra (https://mail.lisboa.ci-media.pt/exchweb/bin/redir.asp?URL=http://www.earthobservations.org/geobon.shtml) é ter este sistema de monitorização a funcionar em 2015.

O artigo agora publicado na revista Science surge a dias da primeira reunião da Plataforma Intergovernamental para a Biodiversidade e os Serviços dos Ecossistemas. A delegação nacional é liderada pelo português autor deste artigo que propõe as variáveis essenciais para medir a biodiversidade do planeta.

  COMENTÁRIOS