Óbito

Morreu o escritor Urbano Tavares Rodrigues

Urbano Tavares Rodrigues morreu esta sexta-feira. O escritor fazia 90 anos em dezembro. Autor de diversos romances, escreveu também em várias revistas e jornais de renome.

Urbano Tavares Rodrigues dizia que sempre oscilou entre o realismo e o fantástico. Que nunca teve uma escola. Que o imperativo do testemunho-denúncia nunca se alheou da experimentação estética, ou da infinita curiosidade pelas contradições da alma humana.

Um modo de estar na escrita, como na vida, durante seis décadas de carreira literária.

Urbano Tavares Rodrigues nasceu em Lisboa, a 8 de dezembro de 1923, e passou a infância em Moura, no Alentejo, onde foi criado numa família de grandes proprietários agrícolas.

A educação incluiu uma licenciatura em Filologia Românica, na Faculdade de Letras de Lisboa, onde acabaria por regressar para dar aulas, mas só depois do 25 de Abril.

Durante a ditadura, Urbano Tavares Rodrigues foi impedido de dar aulas por motivos políticos. Trabalhou como tradutor e jornalista, esteve preso em Caxias e acabou por encontrar em França o exílio e a convivência com os intelectuais da década de 50, período durante o qual o autor de «Uma Pedrada no Charco» deu aulas em várias universidades francesas.

Militante do Partido Comunista desde 1969, a Revolução dos Cravos trouxe-o de volta para Portugal. Integrou as listas do PCP nas legislativas de 1975, foi eleito deputado mas não aceitou exercer o mandato.

Enquanto jornalista, trabalhou no Diário de Notícias (para onde entrou logo em 1946), Diário de Lisboa, Artes e Letras, Jornal do Comércio e O Século, entre outros órgãos, e enquanto escritor assinou uma obra em que quase sempre expressou preocupações sociais e tendências políticas.

Urbano Tavares Rodrigues foi distinguido com os galardões literários da Associação Internacional de Críticos Literários e da Imprensa Cultural, bem como com os prémios Ricardo Malheiros, Aquilino Ribeiro, Fernando Namora, Jacinto do Prado Coelho, Camilo Castelo Branco e o consagrado Prémio Vida Literária da Associação Portuguesa de Escritores (2003).

Urbano Tavares Rodrigues lançou o último livro «Escutando o rumor da vida seguido de solidão em brasa» há cerca de um ano.