Mulheres

Observatório regista 33 mulheres mortas em 2013 pelos maridos ou namorados

Perto de 350 mulheres foram assassinadas pelos maridos, namorados ou companheiros nos últimos 10 anos. Em 2013 morreram 33, a maioria em contexto de violência doméstica.

Os números foram recolhidos nas notícias da imprensa pelo Observatório de Mulheres Assassinadas da União de Mulheres Alternativa e Resposta (UMAR).

Este ano, até agora, o números são contudo mais baixos do que em igual período do ano passado: 33 mulheres mortas (menos 7 que no ano passado) e 32 tentativas de homícidio (menos 21 que em 2012).

Uma das responsáveis pelo relatório admite que estes números ainda preocupam, mas são uma boa notícia. Elisabete Brasil salienta, contudo, que é preciso cuidado. Não é a primeira vez que os assassinatos de mulheres baixam para depois voltarem a subir.

A União de Mulheres Alternativa e Resposta sublinha que estas mortes às mãos do companheiro surgem, por norma, depois de um longo passado de violência doméstica.

Ao contrário do que se poderia pensar, não há evidências de que a crise esteja a aumentar a violência doméstica. Não é isso que dizem as notícias consultadas sobre mortes. Pelo contrário, mantêm-se as mesmas causas de sempre: violência continua, ciúmes e relações que foram piorando.

No entanto, a responsável do Observatório de Mulheres teme ainda que a falta de dinheiro e o desemprego aumente a violência doméstica.

  COMENTÁRIOS