animais

Tribunal detecta ilegalidades e proíbe canil de Lisboa de receber animais (actual.)

O canil/gatil de Lisboa, em Monsanto, está proibido de aceitar animais, com algumas excepções, e tem 15 dias para reestruturar os serviços de forma a cumprir as condições exigidas por lei, decidiu o Tribunal Administrativo e de Círculo de Lisboa.

Em resposta a uma providência cautelar do Grupo de Lisboa da Campanha de Esterilização de Animais Abandonados, o tribunal obriga o canil municipal a criar, num prazo de oito dias, uma área de quarentena para os animais, dá 15 dias para que seja nomeado um técnico responsável pelo centro e elaborado um programa com vista ao bem-estar dos animais capturados e recebidos.

A providência cautelar tinha sido interposta por Margarida Garrido, que integra o Grupo de Lisboa da Campanha para a Esterilização de Animais Abandonados, que pretende sensibilizar os municípios para o bem-estar animal e para procederem à esterilização de animais abandonados e o seu controlo.

Entretanto, em declarações à TSF, Margarida Garrido afirmou-se satisfeita com a decisão e frisou que os animais encontram-se em situação «desumanas» naquele espaço, muitos deles presos durante meses.

Segundo dados do Grupo de Lisboa da Campanha de Esterilização de Animais Abandonados, em 2009 entraram em média por dia 10 animais no canil, cinco dos quais foram abatidos e dois morreram por doença. Só três sobreviveram.

  COMENTÁRIOS