Japão

Bancos japoneses saem do vermelho e preparam fusões

Os principais bancos japoneses começaram a sair do vermelho no exercício 1999/2000. A fusãomania parece também ter chegado aos bancos japoneses, que se preparam para criar o primeiro e segundo bancos mundiais.

Os principais bancos japoneses saíram do vermelho no exercício 1999-2000, voltando a divulgar resultado positivos. Os ganhos provêm sobretudo de ganhos nas suas carteiras de títulos e num maior esforço para reduzir o crédito mal-parado.

Uma última série de resultados de bancos foi publicada hoje, mostrando que todos os bancos voltaram aos lucros no ano fiscal terminado em Março.

Os bancos Dai-Ichi Kangyo Bank (DKB), o Fuji Bank e o Industrial Bank of Japan anunciaram lucros de, respectivamente, 70,8, 70,7 e 52,8 mil milhões de yens, depois de terem sofrido perdas no ano anterior.

As três entidades vão reagrupar-se no próximo ano numa holding, criando o número um do sector por activos (140.000 mil milhões de yens), à frente do Deutsche Bank-Bankers Trust e UBS.

Na segunda feira, dois outros grandes bancos comerciais japoneses, o Sumitomo Bank e o Sakura Bank, anunciaram resultados superiores aos do ano anterior, respectivamente, 61,9 e 62,6 mil milhões de yens de lucros líquidos consolidado.

O Sumitomo e o Sakura deverão fundir-se em Abril de 2001, para criarem o segundo banco mundial por activos.

No pelotão da frente das melhores performances estão o Sanwa Bank, com resultados líquidos de 119,5 mil milhões de yens e o Tokio-Mitsubischi (BTM), o número um actual do Japão, com lucros de 127,9 mil milhões de yens.