Justiça

Julgamento do processo FP-25 recomeça hoje

O julgamento do processo das FP-25 de Abril, suspenso em Julho por causa das férias judiciais, recomeça em Lisboa. Mário Lamas e Guedes Monteiro serão hoje ouvidos.

O julgamento do processo das FP-25 de Abril, suspenso em Julho por causa das férias judiciais, recomeça hoje em Lisboa com a audição dos «arrependidos» Mário Lamas e Guedes Monteiro, sobre casos ocorridos em Almada e Leiria.

O caso de Almada, que foi apenso ao processo principal, está relacionado com as mortes do administrador da Fábrica de Louças de Sacavém Diamantino Bernardo Monteiro Pereira, ocorrida a 6 de Dezembro de 1982, e do «arrependido» das FP José Manuel Barradas, num atentado na Costa da Caparica, a 19 de Julho de 1985. Inclui-se também neste processo o assalto verificado a 30 de Novembro de 1983, para obtenção de verbas resultantes dos salários da Rodoviária de Almada e que culminou com o ferimento do funcionário da empresa Manuel Amaro de Carvalho.

O processo de Leiria, que envolve cinco novos arguidos, remonta a 30 de Janeiro de 1984, altura em que um comando, alegadamente das FP-25 de Abril, assaltou na Marinha Grande uma carrinha de transportes de valores do Banco Espírito Santo, ferindo dois funcionários, um dos quais ficou tetraplégico.

As restantes sessões do julgamento das FP-25 de Abril estão agendadas para os dias 9, 13, 16, 20, 23 e 27 de Outubro. Durante o julgamento das FP-25 de Abril, que se iniciou em Janeiro deste ano, o Tribunal da Boa Hora já ouviu mais de 110 testemunhas arroladas pelas acusação.

Os 69 arguidos deste megaprocesso, incluindo Otelo Saraiva de Carvalho, incorrem numa pena máxima de 20 anos, de acordo com o Código Penal de 1982, em vigor à data dos crimes alegadamente cometidos.

Nas últimas sessões, o colectivo de juízes ouviu o «arrependido» Macedo Correia.

Os acusados remeteram-se ao silêncio durante o julgamento, recorrendo a uma prerrogativa prevista na lei penal, pelo que cabe ao Ministério Público (MP) fazer prova em tribunal dos factos imputados aos réus.