Rosália Amorim

Rosália Amorim

Desafios para o OE 2022

Está quase! O orçamento do Estado para 2022 é entregue no Parlamento dia 11 de outubro. Vem aí mais um difícil exercício para o ministro que tem a pasta das Finanças, João Leão, e para todo o governo. No próximo ano, numa conjuntura de pós-pandemia, a economia estará mais débil e as contas vão precisar de reequilíbrios inteligentes. Enfrentamos desafios estruturais que requerem políticas públicas mais ambiciosas. A bazuca europeia vem aí, mas não é tudo.

Rosália Amorim

O país que vai dar certo?

Reabre hoje ao público o Museu de Língua Portuguesa, na cidade de São Paulo, no Brasil. O mesmo tinha sido devastado pelas chamas num incêndio que destruiu dois terços da estrutura do edifício e provocou a morte de um bombeiro e que ocorreu em dezembro de 2015. Está instalado na centenária Estação da Luz desde que foi inaugurado em 2006, e foi um dos primeiros a homenagear a língua portuguesa no mundo, com experiências interativas, conteúdo audiovisual e ambientes imersivos.

Rosália Amorim

Oxigenar o país

Os portugueses têm de voltar, uma vez mais, a adaptar-se aos novos horários e às novas regras. Já não precisam de ficar retidos na Área Metropolitana de Lisboa, mas, caso queiram ir dormir ou comer fora, têm de fazer-se acompanhar de certificado digital ou teste negativo. Como os testes em laboratórios de análises clínicas são dispendiosos para uma família média portuguesa - e até mesmo os novos testes rápidos anunciados pela Cruz Vermelha custam, afinal, 60 euros por cabeça - e as farmácias continuam com filas de espera para realizar testes, o melhor é mesmo levar um autoteste no bolso e realiza-lo à entrada do hotel ou restaurante.

Rosália Amorim

Sem dívidas e sem Misericórdia a pagar a conta

"Não tem dívidas", afiança, e tem uma pensão de pouco mais de dois mil euros. Pergunta que se impõe: quem vai pagar a caução de Joe Berardo? O arguido saiu em liberdade ontem depois de passar três noites detido no estabelecimento prisional anexo à sede da PJ, em Lisboa. Foi inquirido e o juiz Carlos Alexandre colocou como condição, ou seja como medida de coação, o pagamento de cinco milhões de euros para poder sair à rua. O pagamento dos 5 milhões de euros terá de ser feito dentro de 20 dias e não será certamente a Santa Casa da Misericórdia a pagar, muitos menos os jornalistas, como ironizou o advogado do arguido, Paulo Saragoça da Matta.

Rosália Amorim

Este é o rumo

A vacinação da população é o caminho certo para enfrentar a pandemia e recuperar a economia. A passo largo e firme, ao estilo militar, a inoculação dos portugueses acelerou nas últimas semanas. Junta-se ainda a boa notícia da data de 4 de julho para início dos agendamentos para maiores de 18. Na verdade só com toda a população vacinada, incluindo as crianças, poderemos respirar um pouco de alívio. Não o faremos totalmente e profundamente por sabermos dos internamentos que ainda persistem mesmo para alguns doentes cujo vírus se revelou mais forte do que a própria vacina.