Companhias queixam-se que apoios estão iguais ao que eram há 40 anos

A necessidade uma revisão do atual modelo de apoio do Governo às Artes foi o ponto de partida para o debate no Fórum TSF.

Em resposta ao ministro da Cultura, o Teatro Experimental do Porto (TEP) afirma que dispensa privilégios. Esta segunda-feira, em entrevista à RTP, o ministro Luís Filipe Castro Mendes afirmou que nenhuma companhia histórica ficará sem apoios do Estado.

No Fórum TSF, Gonçalo Amorim, diretor do Teatro Experimental do Porto, afirma que a instituição, que ficou de fora dos apoios do Estado para os próximos quatro anos, quer ser reconhecida apenas pelo seu mérito.

"Queremos voltar a concurso e queremos a nossa criação atual validade, porque achamos a nossa classificação injusta", declarou Gonçalo Amorim.

O diretor artístico anunciou ainda que o TEP está já tratar do recurso para garantir financiamento. No entanto, Gonçalo Amorim considera que os 2 milhões de euros disponibilizados pelo Governo não são suficientes.

Já João Brites, diretor artístico da companhia de teatro O Bando denunciou, no Fórum TSF, que os apoios estatais às artes pouco mudaram nos últimos 40 anos.

"O Bando é uma das companhias que tem apoio, ainda", sublinhou João Brites. "Um apoio equivalente ao que tínhamos em 1977 e que corresponde a 50% do apoio que tínhamos em 2010", ressalvou.

O diretor artístico defende que é preciso um empenho sustentado da classe política nesta matéria.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de