"Há um Torga desconhecido." O outro lado do poeta em exposição na terra que o viu nascer

A lente de Pascal Moreaux captou o olhar intenso de Miguel Torga há trinta anos. Hoje, as imagens podem ser vistas por todos, num "encontro marcado" com o outro lado do poeta.

O Espaço Miguel Torga, em São Martinho de Anta, no concelho de Sabrosa, inaugura esta terça-feira uma exposição de fotografias do francês Pascal Moreaux. São retratos de Torga captados há 30 anos numa sessão improvisada."Encontro Marcado com Miguel Torga" mostra um outro lado do escritor.

Foi durante uma viagem a Paris que o fotógrafo Pascal Moreaux descobriu Miguel Torga. A tradução de alguns excertos dos diários criou curiosidade sobre o escritor português. Pascal decidiu que ia fotografá-lo.

"Foi porque gostava do trabalho dele. Não era porque era uma personalidade ou uma pessoa famosa. Eu não quero saber disso. Mas, através de um retrato, a alma da pessoa, a personalidade, aparece."

Em junho de 1989, encontrou a oportunidade, Pascal estava em lua-de-mel em Portugal.

"Soube que morava em Coimbra, trabalhava no Largo da Portagem, tinha um consultório ali e eu fui bater-lhe à porta, simplesmente."

Os portugueses que conhecia tentaram demovê-lo: "De facto, a família, os meus sogros e os primos da minha esposa disseram-me que ele não ia aceitar, que era uma pessoa com mau feitio"

Pascal não quis saber. Aos 23 anos, encheu-se de coragem e foi bater à porta do consultório de Miguel Torga: "Abriu e perguntou-me em francês 'O que é que quer de mim?'"

O fotógrafo recorda a figura austera e o modo rude como foi recebido que se transformou quase imediatamente. Combinaram um encontro para o dia seguinte para fazer os retratos.

"Foi muito amável, muito disponível. Fiquei um quarto de hora, talvez, a tirar fotos. Sentia-se que não estava à vontade. Não queria muito ser fotografado, mas ficámos lá duas horas a falar com ele, ele leu-nos poesias, falámos da vida, de arte, de muitas coisas. Fomos passear na cidade. Senti uma personalidade muito humana."

O Miguel Torga que se deixou fotografar não desapontou o leitor. Desta sessão resultou o famoso retrato do escritor em contraluz, sentado à secretária na máquina de escrever, mas Pascal prefere outros.

"Os retratos de frente, quando olha a objetiva da máquina fotográfica, que tem um olhar muito intenso. Através do olhar vê-se o interior, o aspeto interior das pessoas, a vida interior."

Desse dia, há 30 anos, Pascal guarda ainda uma outra memória, o conselho de Miguel Torga à mulher do fotógrafo: "Disse-lhe: os artistas precisam de muita compreensão"

João Luís Sequeira, diretor do Espaço Miguel Torga, considera que este olhar do fotógrafo Pascal Moreaux vem revelar um outro Torga.

"Há sempre um Torga desconhecido. Felizmente, isso é também um desafio para o próprio espaço Miguel Torga, porque nos coloca sempre perante o desafio de procurar algo mais e de completar mais a imagem e o conhecimento que temos do escritor."

Miguel Torga tinha fama de ter mau feito e de ser pouco sociável. Para João Luís Sequeira, este encontro com Pascal Moreaux prova que há um outro lado que também passa nos livros do escritor português.

"Criaram-se alguns preconceitos em relação à própria figura do escritor que, de alguma forma, este encontro com o Pascal Moreaux desmistifica, porque nos dá a conhecer um Torga disponível, acessível, simpático, compreensivo, humano. Portanto, é uma faceta também que faz parte do escritor e que muitas vezes não é revelada."

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Outros Artigos Recomendados